Momento

diário, escrita, memórias

 

Quantas vezes acordo e penso que tudo não passou de um pesadelo. Logo a realidade é chamada a mim.

Efémera existência.

Dura realidade.

Caminho rumo à solidão de dias incógnitos e assustadores.

Assim…

 

 

Prometo não falar de amor de gostar e sentir

Portanto não vou rimar com dor um mentir

Joga-se pelo prazer de jogar e até perder

Invadem-se espaços trocam-se beijos sem escolher

Homens temporariamente sós / que cabeças no ar

 

 

Não retratos de solidão interior

Não há qualquer tragédia / Mas um vinho a beber

Partidas regressos conquistas a fazer

Tudo anotado numa memória que quer esquecer

 

 

Homens sempre sós preferem perder

 

 

Homens sempre sós são bolas de ténis no ar

Muito abatidos saltam e acabam por enganar

Homens sempre sós nunca conseguem casar

Anúncios

A comida mastigada

diário, humor, memórias

— O que é a combustão?

— É comer comida mastigada! – respondeu o aluno, tendo entendido, pensamos nós, “mastigação” no lugar de “combustão”.

 

Um dia “pingado”

humor, memórias

A atividade consistia em encontrar sinónimos de determinadas palavras.

Perante a frase “Estava um dia molhado“, com a maior das certezas, o aluno em voz alta respondeu: “Estava um dia pingado

rain-354617_1920

Ainda não soube como

diário, escrita, memórias

   As estrelas brilhavam. Por entre as palavras soltou-se o abraço que navegou rumo ao beijo longo e profundo.

   Sorrimos.

   Olhos nos olhos trocamos carícias enquanto saltávamos as ondas que nos levavam junto ao recanto escuro do penedo anexo ao muro de pedra.

  Seguiu-se a contemplação, como se fossemos únicos. Esta impediu que as roupas permanecessem nos nossos corpos, naquela noite duplamente quente. Pelo menos, as necessárias à fusão dos corpos.

  À semelhança de um filme francês, fugimos dali. Parecíamos querer dar asas a uma história com densidade. Todavia, quando estas se iniciam com a concretização da atração física, o fim parece não ser o melhor. Pena não ser livre por forma a poder escrever mais. Liberdade, liberdade… Utopia da democracia.

   Reencontramo-nos volvida uma semana.

   No céu, as estrelas deixaram de brilhar, o tempo mudou… Passaram-se meses e ainda não soube como escrever estes fragmentos.

img_20170109_011627_280

Lágrimas by Paulo Vasco

Uma questão de porcos

diário, escrita, Eu & o blogue, humor, memórias

      A aula de português abrangia conteúdos gramaticais referentes à classificação morfológica dos nomes. Os alunos estavam a aprofundar o estudo dos nomes comuns coletivos.

A certo momento, a professora perguntou:

– Que nome se dá a um conjunto de porcos?

      Sem aguardar uma indicação ou orientação minha e sem  consultar-me, o “meu aluno”, convicto de deter, naquele momento, todo o saber do universo, num ápice respondeu de forma bem audível:

– É uma porqueira, Sr.ª Professora!

porco-colorir

Na Foz 

fotografia, memórias
Na Foz por Paulo Vasco

Na Foz por Paulo Vasco

Do passado.

Daquele dia, daquele início de noite. A descoberta, o ponto de partida.

Posso agarrar uma nuvem?

diário, educação, memórias

      Sentado, a desenhar a sua banda desenhada correspondente ao texto analisado na aula de português, na imensidão do sonho dos seus 8 anos (quase 9, como me diz), perguntou:

– Senhor Professor, de que são feitas as nuvens?

Com pequenas orientações descobriu a resposta.

      Passados alguns instantes, uma nova pergunta gotejou do seu eterno mar de ternura:

– Senhor Professor, é possível agarrar uma nuvem? Parecem tão fofinhas!

Por um lado, dão vontade de  brincar e por outro de comer.

Novos dados foram fornecidos, a par do estado gasoso da água, até então desconhecido. Em mim, a vontade de dizer que todos podemos agarrar as nuvens e voar num céu azul. Saltar entre elas e brincar às escondidas. Desenhar palavras em inglês, como as que me pede para verificar se estão bem escritas. Derrete-me este mundo de criança dos outros tempos. Fragiliza-me até. Pena que o sonho tantas vezes se desencontre da realidade.

I Want to Break Free

música, memórias

Quero libertar-me.

Quando posso fazê-lo? Permiti-lo-ão?

Os tempos não correspondem às vontades e estas não acompanham os tempos.

Dá-me a mão!

 

Love of my life you’ve hurt me
You’ve broken my heart and now you leave me
Love of my life can’t you see
Bring it back, bring it back
Don’t take it away from me
Because you don’t know
What it means to me
Love of my life don’t leave me
You’ve taken my love you now desert me
Love of my life can’t you see
Bring it back, bring it back
Don’t take it away from me
Because you don’t know
What it means to me

(…)

 

Adam Lambert & Queen @ Rock in Rio Lisboa 2016

Ouça o original, dos anos 80, aqui.

 

 

Letra

I want to break free
I want to break free
I want to break free from your lies
You’re so self satisfied I don’t need you
I’ve got to break free
God knows, God knows I want to break free
I’ve fallen in love
I’ve fallen in love for the first time
And this time I know it’s for real
I’ve fallen in love yeah
God knows God knows I’ve fallen in love
It’s strange but it’s true
I can’t get over the way you love me like you do
But I have to be sure
When I walk out that door
Oh how I want to be free baby
Oh how I want to be free
Oh how I want to break free
But life still goes on
I can’t get used to living without living without
Living without you by my side
I don’t want to live alone hey
God knows got to make it on my own
So baby can’t you see
I’ve got to break free
I’ve got to break free
I want to break free yeah
I want, I want, I want, I want to break free
Compositores: John Deacon
Letras de I Want To Break Free © Sony/ATV Music Publishing LLC

Soft Cell – Say Hello Wave Goodbye

música, memórias

Um tema de 1981, escrito por Marc Almond para o álbum Non Stop Erotic Cabaret dos Soft Cell.

 

Remix

 

Videoclip original

 

Letra

Standin’ at the door
Of the Pink Flamingo
Crying in the rain
It was a kind of so so love
And I’m gonna make sure
It doesn’t happen again

You and I, it had to be
The standing joke of the year
You were a sleep around
A lost and found
And not for me I fear

Take your hands
Off me, please
I don’t belong to you, you see
Take a look in my face
For the last time
I never knew you
You never knew me
Say hello, goodbye

Say hello and wave goodbye

We tried to make it work
You in a cocktail skirt
And me in a suit
But it just wasn’t me
You’re used to wearing less
And now your life’s a mess
So insecure you seem

Well I put up with all the scenes
And this is one scene
That’s goin’ to be played my way

Take your hands
Off me
I don’t belong to you, you see
Take a look in my face
For the last time
I never knew you
You never knew me
Say hello, goodbye

Say hello and wave goodbye
Say hello and wave goodbye

Under the deep red light
I can see the make up sliding down
Well hey little girl
You will always make up
So take off that
Unbecoming frown

What about me? Well
I’ll find someone
Who’s not going cheap
In the sales
A nice little house wife
Who’ll give me a steady life
And won’t keep going off the rails

Take your hands
Off me, please
I don’t belong to you, you say
And take a look in my face
For the last time
I never knew you
You never knew me
Say hello, goodbye

Say hello and wave goodbye
Say hello and wave goodbye
Say hello and wave goodbye
Wave goodbye

Say hello and wave goodbye
Say hello, wave goodbye
Goodbye
Say goodbye
Say goodbye

We were born before the wind
Who were we to understand
We were born before the wind
Say goodbye

Through the rain, hail, sleet and snow
Say good bye
And I’m trying, trying, trying
To say goodbye
Say goodbye
Say goodbye
Say goodbye

In the wind and the rain my darling
Say goodbye
In the wind and the rain my darling

 

12507110_944702612280228_6385816949794147676_n.jpg

 

Thompson Twins – Hold Me Now

música, memórias

 

Uma música de 1983.

I have a picture pinned to my wall
An image of you and of me and we’re laughing, we’re loving it all
Look at our life now, we’re tattered and torn
We fuss and we fight and delight in the tears and we cry until dawn

Hold me now, warm my heart
Stay with me, let loving start, let loving start
Hold me now, warm my heart
Stay with me, let loving start, let loving start

You say I’m a dreamer, we’re two of a kind
Both of us searching for some perfect world, we know we’ll never find
So perhaps I should leave here, yeah, yeah go far away
But you know that there’s no where that I’d rather be
Than with you here today

Hold me now, warm my heart
Stay with me, let loving start, let loving start
Hold me now, warm my heart
Stay with me, let loving start, let loving start

You ask if I love you, well what can I say?
You know that I do and that this is just one of those games that we play
So I’ll sing you a new song, please don’t cry anymore
And then I’ll ask your forgiveness though I don’t know
Just what I’m asking it for

Hold me now (in your lovin’ arms), warm my heart (Oh my cold and tired heart)
Stay with me (Come on and stay with me), let loving start, let loving start
Hold me now (in your lovin’ arms), warm my heart (Oh my cold and tired heart)
Stay with me (come on and stay with me), let loving start, let loving start

monitor-1054714_1920Songwriters
BAILEY, TOM / CURRIE, ALANNAH JOY / LEEWAY, JOSEPH MARTIN