A calamidade em Portugal e a trovoada seca

artigo

Na região de Leiria, em Pedógrão Grande, temos assistido às consequências de uma das maiores catástrofes naturais dos últimos anos, no nosso país.

 

Infelizmente, falar de incêndios, em Portugal, na época quente há muito tornou-se trivial. Estes rendem fortunas a várias entidades ainda não responsabilizadas. Acresce ainda o problema do ordenamento do território, alguns aspetos da flora e os indevidos cuidados para com a limpeza da floresta. Constatam-se armadilhas do fogo e do combate ao fogo.

Contudo, em Pedrógão Grande, onde as vítimas mortas carbonizadas ou por asfixia ascendem, neste momento, a mais de 6 dezenas, os desalojados a centena e meia e muitos são os feridos, sem esquecer as consequências de ordem psicológica, económica e ambiental, a origem esteve em trovoadas secas. Um raio de um relâmpago atingiu uma árvore. Pode ler, “Como a polícia encontrou a árvore onde tudo começou“.

Um relâmpago pode provocar um incêndio devido à temperatura da descarga elétrica. Eles ocorrem numa fração de segundo mas atingem temperaturas na ordem dos 20 mil graus Celsius. O raio que atingiu a árvore em Escalos Fundeiros no sábado à tarde, dia 17 de junho, facilmente fez arder a madeira e o mato seco em volta. A temperatura ambiente acima dos 40ºC associada à baixa humidade do ar e ao vento forte fizeram com que as chamas se propagassem rapidamente.

Como referido, às trovoadas secas associaram-se o vento forte e o baixo teor de humidade no ar e no solo, assim como “grandes manchas de eucaliptal desordenado, numa região conhecida ironicamente como pinhal interior, e de fraca gestão, em que os proprietários só lá voltam basicamente para cortar”, de acordo com o presidente da Quercus (cf. artigo Sapo 24). Nesta imagem, encontra uma explicação sucinta a respeito da formação de trovoadas.

As trovoadas secas ocorrem devido ao desenvolvimento de cumulonimbos, nuvens de crescimento vertical, cuja base está a um nível muito elevado na atmosfera e, abaixo da base, o ar está muito seco, a humidade é muito baixa e as temperaturas estão muito elevadas. Como tal, podem desencadear apenas aguaceiros ou a trovada seca (trovada sem aguaceiros).  Caso não haja precipitação, mas haja trovoada, estamos perante o fenómeno de trovoada seca.

Na fotografia pode ver uma destas nuvens.

 

 

Dadas as elevadas temperaturas, este fenómeno acontece com alguma frequência no verão. “A humidade relativa do ar, que indica a quantidade de água no estado gasoso presente no ar a determinada temperatura, pode descer abaixo dos 10% quando se verifica este fenómeno. É por isso que a atmosfera absorve a água da chuva (quando ocorre), impedindo que ela chegue ao chão“, de acordo com Maria João Frada, meteorologista do IPMA, ao Observador. Informação detalhada do processo pode encontrar em Trovoadas Secas.

Aos fatores indicados, temos a destacar o relevo da região, que consiste em  terreno bastante acidentado, com declives muito pronunciados e vales relativamente fundos. É uma região com muita floresta e pouca agricultura, tratando-se essencialmente de eucaliptais. Falharam as medidas preventivas, no combate inicial ao incêndio e na informação da população. Por outro lado, uma estrada que não foi cortada ao trânsito.

Veja algumas das fotografias no Sapo 24, acerca do que se sabe até ao momento que demonstram a intensidade desta calamidade nacional.

Anúncios

5 comentários sobre “A calamidade em Portugal e a trovoada seca

Deixe a sua opinião.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s