Uma reflexão: O Circo das Borboletas

7.ª arte, educação, opinião, reflexão

 

Nestas semanas, tenho vindo a frequentar um curso de Coaching para professores.

Hoje, a formadora propôs a visualização e interpretação do filme O Circo das Borboletas, título que adotei da versão espanhola. Se de início pode parecer algo aborrecido, antiquado ou estranho, deixem que se dê o avanço da história.

A minha reflexão, do ponto de vista do coaching

 

Todos podemos voar como borboletas, mesmo sem órgãos de locomoção. Na verdade, quanto maior a luta, mais glorioso é o triunfo.
Em El Circo de La Mariposa assistimos a um coach de características inatas, desmistificando preconceitos, ao transformá-los em exemplos para tantos outros. Logo de início, ao contactar pela primeira vez com o Sr. sem os órgãos de locomoção desenvolvidos dentro dos parâmetros normais (deficiência motora), ao invés de uma aberração, o dono do circo estabeleceu uma relação de empatia. Por forma a operar a mudança em alguém desmotivado, desvalorizado e portador de deficiência, fez uso da palavra. Com o decorrer do tempo e ao contrário do que muitos esperavam, a performance do indivíduo, com objetivos e metas, evoluiu. Operou-se a transformação e o desenvolvimento, dado o potencial intrínseco, a confiança e a consciência.
Este coach, para além de ver, soube ouvir, acreditou e estabeleceu uma parceria. Em todos os momentos revelou segurança em si, coerência, proatividade, convicção, paciência e humildade. Face a alguém com uma história de vida de dor e asas cortadas, soube revelar competências relacionais e motivar. Constatou-se um processo transformacional resultante da parceria entre ambas as personagens, com a cumplicidade dos outros elementos do circo.

Ainda que portador de deficiência motora, algo tão nefasto na época retratada no filme, o coachee conseguiu encontrar as suas condições de equilíbrio. A “borboleta”, antes no casulo, ganhou asas e beleza, podendo disseminar lições de vida a outros reduzidos a nada, pela sociedade de então.

 

At the height of the Great Depression, the showman of a renowned circus discovers a man without limbs being exploited at a carnival sideshow, but after an intriguing encounter with the showman he becomes driven to hope against everything he has ever believed.

Director: Joshua Weigel
Writer: Joshua Weigel & Rebekah Weigel
Producers: Joshua Weigel, Rebekah Weigel, Angie Alvarez
Executive Producers: Jon & Esther Phelps, Jason Atkins, Nathan Christopher Haase, Bob Yerkes, Ed Vizenor & Nathan Elliott
Director of Photography: Brian Baugh
Production Designer: Yeva McCloskey
Editor: Chris Witt
Cast: Eduardo Verastegui, Nick Vujicic, Doug Jones, Matt Allmen, Mark Atteberry, Kirk Bovill, Lexi Pearl, Connor Rosen
Original Score: Timothy Williams (Composer)

 

Anúncios

2 comentários sobre “Uma reflexão: O Circo das Borboletas

Deixe a sua opinião.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s