Quando deus o abandonou

escrita

   Uma vez mais, ergueu a cabeça e orou.

   Lá fora, adivinha-se chuva. As temperaturas baixaram e o vento assemelha-se ao medo que percorre o seu interior. José sempre quis ser Padre. Homem de fé, julgava assim poder exorcizar os demónios de uma infância sofrida. Etapa da qual guarda apenas pequenos momentos, pois cedo foi entregue num Convento para receber alimentação, educação e poder vir a ser adotado.

   A adoção aconteceu, por parte de uma família tradicional cristã, de classe média alta. Tratava-se de um rapaz bonito, de olhos claros, esguio e de conversa cativante. Porém, na Escola, durante os intervalos, muitas vezes aconteceram os mesmos abusos de que fora vítima em criança. Não, as crianças não são anjos e quando detetam uma presa fácil, em alguns casos, solta-se o que há de pior no ser humano. O outro lado… José nunca nada disse em casa ou à professora.

   Um dia, na casa de banho, três colegas fizeram com que usasse o cabo de uma vassoura depois de defecar, introduzindo-o no ânus. Os minutos pareceram anos. Tantos até que, José passou a exercer o sacerdócio.

   Jovem adulto, era impensável confessar as suas pulsões sexuais ou tentar compreendê-las. Naquele tempo, sabia padecer de algo intratável.

  Uma lágrima percorre o seu rosto. Questiona Deus pela sua condição e abandono. Naquela Igreja, a resposta não se faz ouvir. Da cruz, parecem escorrer gotas de sangue. Apavorado, sentiu a sua urina percorrer-lhe as pernas, formando-se uma poça em seu redor. Ele não foi um assassino. Ele destruiu os sonhos de outras crianças tal como lhe fizeram no passado. Qual o significado daquele sangue?

photo-1430747562296-5556d17a15a5

   A porta da Igreja abriu-se de forma brutal. José nem olhou para trás dizendo apenas “Podem algemar-me. Faça-se a vontade de Deus!

Num ápice, como uma rajada de vento, fez-se sentir um machado em direção ao seu pescoço, separando-o, com mestria, do resto do corpo.

A cruz jorrou mais sangue.

O corpo de José ali permaneceu, desmembrado, até à chegada da polícia.

   Na vila, apesar de todas as obras levadas a cabo e a caridade praticada pelo Padre, nem um choro se fez sentir.

Naquele mesmo momento, em várias casas, o seu crime era praticado, no silêncio e sem consequências.

#everydayinspiration

Advertisements

Deixe a sua opinião.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s