Eterno por Joana Amaral Dias

escrita

A minha flor pela Curva da Ferradura

A minha flor pela Curva da Ferradura

A dor de perder um filho não tem igual. Nenhuma outra perda pode ser comparada. O sofrimento é de tal magnitude que nem existe uma palavra para o dizer. Alguém que perde um ou ambos os pais é órfão. Sem o cônjuge é viúvo/a. Quem perde um filho perde-se. Não tem direito a nome. Entra num universo paralelo, na dimensão das coisas inomináveis que existem mas não têm denominação, no mundo dos fantasmas que assombram e perseguem, preenchendo casas que ficam eternamente vazias. E em silêncio. Nesse tenebroso silêncio de uma dor que não se pode chamar. E que, desse modo, sobre a qual não se pode falar, partilhar, dividir, aliviar, confortar. Ou, no limite, sequer pensar. Todo o luto, por um amigo, por um avô, por uma mãe, é doloroso e, por vezes, longo. Mas o luto por um filho, o velar mais antinatura que existe, a rutura com o regular ciclo vital do ser humano, é como caminhar sobre água – impossível. Pode continuar-se o dia a dia, até existirem outros filhos, natais, aniversários e fins de ano, manhãs e pores do sol, mas nunca se chega a uma cicatriz. Perder um filho é, para o resto da vida, uma chaga em carne viva. Uma sangria. Ao contrário do que se diz, há insubstituíveis. E dores lancinantes que nunca passam. A saudade é uma menina.

Dias, Joana Amaral (2015). Eterno. Extraído do Correio da Manhã Online, em 23 de julho de 2015, às 23h.04min.

Advertisements

5 thoughts on “Eterno por Joana Amaral Dias

  1. Acho que só quem passa por esta perda sabe de verdade o quanto dói.
    Pela lei natural das coisas os mais velhos deviam ir primeiro, mas nem sempre o destino assim quer.
    Esta é daquelas dores inexplicáveis.
    Bjs

    Gostar

    1. Sempre convivi com ela, na pessoa da minha mãe. De facto, é algo inexplicável. Embora, atualmente encontre algumas mães que agem como se nada fosse. Outros tempos?

      Gostar

  2. Paulo,
    não conhecia este texto da ex-bloquista. Todavia é um texto sublime ao contrário de alguns Jornalistas da nossa praça que só sabem dizer asneiras.

    Gostar

Deixe a sua opinião.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s