Pai antes do cancro e apenas com diabetes

Pai antes do cancro e apenas com diabetes

      Desta vez, não me roubem as palavras (a alma).
Não as censurem ou estigmatizem. Manifestem abertura e sejam recetivos ao que diferente se faz, porque o progresso não está na cabeça de cada um. Os processos dialéticos não perderam o seu encanto e interesse.

      Hoje, faz um mês e um dia que o perdemos. O manto, que agora vejo branco, levou-o cessando assim o seu sofrimento e concomitante estado de decomposição, ainda que em vida. Agora, está em paz. Importa referir que o mieloma múltiplo, nome que tanta discórdia causou no jogo de palavras de quem as solta sem pensar, é pouco conhecido. Este não é um carcinoma dos ossos, como se pode ler aqui. Enquanto humanos, é nosso dever quebrar tábus, dar a mão, elogiar quem de direito e lutar pelos outros. Sobretudo aqueles que possam vir a ser as próximas vítimas… Isto porque, ao contrário do que pensava, há quem considere todos os cancros idênticos. Da mesma forma, há quem pense que após a morte, todo o sofrimento dos cuidadores/familiares cesse. Como se antes, neste e em outros casos, o tempo permitisse pensar.
Como observou uma vizinha, no dia da morte dele, a respeito de algumas pessoas (supostamente!) próximas: – “Estes nunca aqui apareceram enquanto esteve doente, ainda caminhava, estava em juízo perfeito ou esteve em isolamento e agora vêm todos juntos? Agora não são precisos!”. Sim, quantas foram as noites de pé, reerguendo-o do chão, a tentar não contrariar o estado de demência que um autotransplante de medula, sem prévia análise do tumor, conduziu; entre aspectos que ouso não querer recordar.
Pelo menos, a certeza de que tudo o que estava ao nosso alcance foi realizado. E assim, concretizei a minha máxima: dar flores em vida e não depois.

Mesmo assim, no meu agradecimento por escrito, as palavras,ainda que alinhavadas, neste sentido não foram entendidas. A São achou-o profundamente sentido, a Rosa nada viu de inusitado, a …

Sim, em Manteigas, Seia e Cinfães sempre utilizámos os conteúdos daquele policopiado, em inglês, que um dia traduzi para o Carlos Francisco (agora Professor Doutor e não mestre ou dr., como tantos “à pressão”, “por pagamento” ou…). No documento, informação relacionada com “eficácia”, escrito na década de 20, do século XX. Atualmente, para alguns conhecidos (apenas alguns?!), eficácia não passa de usar falsas máscaras e frases, por forma a agradar as chefias.

      Continuo a ter de agradecer o apoio ainda hoje evidente, dos meus ex-alunos, alguns ex-colegas, a Rosa e a Lurdes que vieram de Cinfães e a Paulinha que as não pôde acompanhar, a Margarida Neta, a São G. que todos os dias envia uma SMS ou e-mail, muitos dos ex-colegas e assistentes operacionais do Agrupamento de Escolas de Seia, os colegas com os quais trabalhei e trabalho diretamente desde fevereiro, a Direção do Agrupamento de Escolas de Santa Comba Dão, alguns dos assistentes operacionais dos diferentes Centros Educativos, o Carlos Vitorino, a Clara Bessa (que livro o nosso, Clarinha!), a Angelina, o Luís Coelho, a Catarina Sabugueiro, o Alípio e aqueles que esqueci de enunciar. Sem qualquer dúvida, tenho a destacar, até porque não nos unem laços de sangue, os meus vizinhos. Três famílias diferentes, que sempre estiveram presentes, não só agora, mas também durante o cancro da minha mãe. Eles têm sido muito mais do que vizinhos mas a nossa família.

Agradecimento no jornal

Agradecimento no jornal regional “Defesa da Beira”

Pai,
No duro processo que tem sido o luto, ainda que eu a este tenha dado início quando tive conhecimento da tua doença, nem sempre tenho correspondido ao prometido. Muitas são as vezes que forças não tenho para me levantar. Como a minha personalidade e a da mãe são semelhantes, por vezes, somos três doentes em casa, ainda que tenhamos todos os cuidados com a avó. Esta, ainda ontem chorou, ao recordar-te! Como é possível que, em crise, de ti se tenha lembrado? Muitas vezes, os gatos caminham em direção ao quarto e sala de estar, procurando-te. Sobretudo o Louro e o Obama.
Os teus amigos perguntam sempre como estamos. Aqueles que o eram e são de verdade. Sim, herdei o teu mau feitio, apesar de ser mais tolerante. Talvez por isso facilmente entrávamos em conflito. Também vejo o mesmo que vias “sem óculos” 😉
Essa coisa de “família” provoca-me azia. A ti, na Páscoa, era causa de transtornos intestinais.
Claro que ninguém telefonou à mãe a perguntar, pelo menos, como se sente. Toda a atenção teve por parte dos vizinhos e a família da avó de Mortágua. E isso é que importa. Como vês, o meu mau feitio e o meu “não” sempre teve como ponto de partida um faro bem apurado. Quando não gostam de nós por A ou B não é por AB que vão mudar de opinião. Se desde bebé sempre me senti rejeitado…

Estou cansado.
Ensina-os a ler, como fazias. Se puderes, procura colocar amor no coração dos impostores e venenosos. Eu sei que entendeste: passavas tu pelo “mau” da fita, quando afinal…

Beijos de luz.
Paulo

Anúncios
diário, escrita

6 thoughts on “Adeus pai III: ontem e hoje!

  1. Bom dia
    Acordei mais tarde.Já são seis da manhã. Felizmente o silêncio hoje é encantador. Consigo ouvir apenas os dedos a carregarem as letras que apressadamente te escrevo. Hoje,os cães emudeceram. Aqui todos domem um sono profundo que eu amo. É neste ambiente que gosto de ler e escrever.
    Comecei o meu correio a descobrir-te e a tentar perceber essa dor que foste arrancando, compulsivamente do teu interior.
    Pareceu-me que foste exímio na arte de escrever.A clareza das tuas palavras não deixam dúvidas nem incerteza das tuas dores.
    Não vou dizer-te muito,pois poderei ser repetitivo. Hoje admiro a tua coragem e também a da tua mãe. Estes primeiros tempos são os piores da nova caminhada sem o pai. Talvez os mais duros. Não se conseguem arrumar as ideias nem separar a realidade dos sonhos.
    Dentro de cada um subsiste a dor, a saudade e tantas recordações.
    Lentamente, este mar agitado, haverá de acalmar. Havereis, tu e a tua mãe, de recomeçar a vida nas cores duma realidade diferente,mas que é a vossa, que também já foi minha, e será idêntica a muitos outros diariamente.
    Hoje termino com um abraço que nos liga. Uma amizade que se vai reforçando.
    O carinho que sinto por ti é muito maior do que eu. Pareces ser o meu filho mais velho. Desculpa a expressão, mas é a única em que me encaixo.
    Os nossos meninos serão sempre aqueles que nos fazem viver, amar e sorrir não sendo possível(nunca) deixá-los de fora.

    .

    Gostar

    1. Obrigado, Luís.
      Que reconfortante é ler estas palavras, a compreensão… Há quem considere porque ultrapassou esta fase de determinada forma, também eu seguirei os mesmos passos. Não sabem o que é ter 9 gatos!!! E a cadela que partiu, uma semana antes do meu pai. Se não sabem o que é amar os animais, as plantas, o canto dos pássaros,… Mas também não sabem em que consiste o cancro em causa, viver com este quase 24h/dia e ainda com a doença de Alzheimer da avó. Mas opinam. E opinam como detentores da verdade. Falam crendo nas palavras de quem nunca viu a degradação do meu pai… 👿
      Em mim há repúdio.
      Repúdio, pela falta de justiça. Pela leviandade…
      Abraço-te!

      Gostar

Deixe a sua opinião.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s