To Die Like a Man

To Die Like a Man (Photo credit: Wikipedia)

Um filme de João Pedro Rodrigues

Era uma vez uma guerra… Numa noite escura, um soldado deserta.

Tonia, uma veterana do espectáculo de travesti lisboeta, vê desabar o mundo à sua volta. O seu estrelato é ameaçado pela concorrência das artistas mais novas.

Pressionada pelo seu jovem namorado Rosário a assumir a identidade feminina, submetendo-se a uma operação de mudança de sexo, Tonia luta contra as suas convicções religiosas mais profundas: se, por um lado, quer tornar-se a mulher que Rosário tanto deseja, por outro, acredita que perante Deus nunca poderá ser essa mulher. E o soldado desertor, o filho que ela tinha abandonado em criança, vem à sua procura.
Tonia descobre que está doente. Com o pretexto de visitar o irmão de Rosário, foge para o campo com o namorado. Perdem-se numa floresta encantada, um mundo mágico onde encontram a enigmática Maria Bakker e a sua amiga Paula.

E este encontro vai mudar as suas vidas. (Extraído de Cinema Sapo)

TVC4 e uma noite de insónia. 
Na verdade, já se fazia madrugada.
O zapping televisivo intersetou-me com o início da obra cinematográfica “Morrer como um homem” que de início, não me apercebi ser portuguesa.
Ousada!
Ainda bem pois qualquer revolução das mentalidades é sempre benéfica e surge, quase sempre, associada às artes.
Definitivamente, apenas não gostei de algumas interações algo teatrais, ao nível da colocação de voz, tão evidente em alguns dos atores. Porém, para além do ano de realização do filme (sem que o conhecesse!), temos de ter em conta a pouca produção cinematográfica que infelizmente se verifica no nosso país. 

De início, pensei que nada iria entender desta obra tal  como acontece sempre que vejo O Fantasma. Não, nada disso! Deparei-me com um drama sitiado por tantos outros dramas: o travestismo de um homem em fim de carreira sem que para tal estivesse preparado, com dependentes de si aos quais outras dependências cabalmente se impunham . Como se não bastasse, a doença. Simultaneamente, a imposição de uma mudança de sexo e a morte vista, por um descendente, como forma de soltar os demónios que conduzem o ser a eventuais desvios sexuais.

Momentos de reflexão sobre muitos os que trabalham em negócios do sexo, a solidão, drogas e o princípio do vazio. Sim, porque a profundidade deste filme não diz apenas respeito a travestis, transexuais, drogados, … Ele é-nos dirigido como seres sociais que somos, no nosso todo, em algumas das nossas dimensões pessoais. 



Foto do filme Morrer como um Homem extraída do Portal do Cinema

O final desta obra cinematográfica foi de todo ao meu género: ácido, como a vida e tão provável como o trivial das evidências inesperadas. Cársico!


As partidas são certas. Já os retornos, uma incógnita…

Anúncios
7.ª arte

12 comentários sobre “Morrer como um homem

  1. Estou tentado em chamá-lo o "Joaquim Leitão" dos anos 80 (bem 80, antes de Adão e Eva).Encaixa-se tão bem no perfil do canal ARTE, ao qual agora não tenho acesso porque a Zon decidiu retirá-lo da grelha satélite (segue-se o M6 e RTL). Curioso é que os filmes que me tocam são sempre encontrados "por acaso". Mas, talvez seja caso para dizer ainda bem.Adorei o fim deste filme. Se tivesses sido meu professor de português no 4ºano, unificado ou secundário (cito os anos nos quais maiores liberdade de expressão me foi dada), este seria o meu final. Talvez no 8º ano tivesse algum sangue e dança contemporânea em redor dos corpos, num confronto de anjos e demónios. Saudades deste Paulo tão louco que por vezes chegava mesmo a ter medo das suas próprias histórias lol

    Curtir

  2. Estou tentado em chamá-lo o "Joaquim Leitão" dos anos 80 (bem 80, antes de Adão e Eva).Encaixa-se tão bem no perfil do canal ARTE, ao qual agora não tenho acesso porque a Zon decidiu retirá-lo da grelha satélite (segue-se o M6 e RTL). Curioso é que os filmes que me tocam são sempre encontrados "por acaso". Mas, talvez seja caso para dizer ainda bem.Adorei o fim deste filme. Se tivesses sido meu professor de português no 4ºano, unificado ou secundário (cito os anos nos quais maiores liberdade de expressão me foi dada), este seria o meu final. Talvez no 8º ano tivesse algum sangue e dança contemporânea em redor dos corpos, num confronto de anjos e demónios. Saudades deste Paulo tão louco que por vezes chegava mesmo a ter medo das suas próprias histórias lol

    Curtir

  3. Não vi o filme como não vejo outros e isso faz-me muita falta.Gostei do modo coo o viste e o comentas.A luta interior, gerada na nossa educação e formação humana e moral é o que dá vida e estas fitas onde nos sentimos parte integrante.Obrigado por me conduzires até aqui. Posso comentar sempre identificando-me. Não sei porque as pessoas se escondem atrás de um anonimato ou nomes fictícios.Desejo-te uma boa Pascoa e ainda que sejas feliz sem medos nem barreiras.A nossa felicidade está dentro de nós, só temos de aceitarmo-nos como somos e viver sem nos violentarmos para ser aquilo que os outros querem.Um abraço Paulo. Acredita que sou teu amigo.

    Curtir

  4. Não vi o filme como não vejo outros e isso faz-me muita falta.Gostei do modo coo o viste e o comentas.A luta interior, gerada na nossa educação e formação humana e moral é o que dá vida e estas fitas onde nos sentimos parte integrante.Obrigado por me conduzires até aqui. Posso comentar sempre identificando-me. Não sei porque as pessoas se escondem atrás de um anonimato ou nomes fictícios.Desejo-te uma boa Pascoa e ainda que sejas feliz sem medos nem barreiras.A nossa felicidade está dentro de nós, só temos de aceitarmo-nos como somos e viver sem nos violentarmos para ser aquilo que os outros querem.Um abraço Paulo. Acredita que sou teu amigo.

    Curtir

  5. Uma páscoa muito feliz, Luís.O problema de muitos não se prende com a identificação nos comentários ou blogues mas com o simples ato de … comentar. Como se não soubessem opinar e eu que tanto gosto de trocar ideias :(Abraço.

    Curtir

  6. Uma páscoa muito feliz, Luís.O problema de muitos não se prende com a identificação nos comentários ou blogues mas com o simples ato de … comentar. Como se não soubessem opinar e eu que tanto gosto de trocar ideias :(Abraço.

    Curtir

Deixe a sua opinião.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s