Do Sufoco

escrita, reflexão
10373699_495105690593050_4260747377026960913_n
Os medos acentuaram-se naquela noite.
Do sufoco, o nó.
Do nó, a tágide.
Desta fragrâncias de dor ecoaram ao olhar.
Do sufoco, o nó.
A morte, em mistério
questionou.
Do sufoco, o nó.
O medo da perda
O medo da solidão
Do sufoco, o nó.
Do nó a certeza
estamos sós!

Um dia
A tágide
Do sufoco ao nó.

 

ski-rope-539600_1920

Advertisements

2 thoughts on “Do Sufoco

  1. Professor! Este poema está lindo. Que simplicidade e complexidade em tão poucas palavras. Gostei mesmo muito 🙂 (só não concordo com uma coisa! Enquanto tiver amigos não está só!) beijinho grande

    Gostar

  2. Minha doce Andreia li este teu comentário rodeado de alunos dos Percursos Alternativos, como nos vossos tempos, na sala de directores de turma. Não sou poeta nem sei escrever poesia. Mas conseguiste interpretar (sinto-o) muito do que escondo nas entrelinhas.
    Estas palavras foram tecidas após saber que a irmã de um aluno da minha direcção de turma faleceu, num violento acidente rodoviário. Apenas um aluno, numa mensagem pelo Hi5 me alertou para o sucedido. Mas já era noite e eu, em casa, sem contactos dos pais dele nada podia fazer… Que sentimento de incapacidade, impotência, …
    Na procura de algum alívio da alma soltaram-se estas palavras.
    Grande beijo.

    Gostar

Deixe a sua opinião.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s