Aguardo – como se a vida tivesse tons de azul

diário


Não compreendo o Natal e talvez nem o pretenda.
Este é, de todo, diferente. O silêncio instalado, de forma austera, entre mim e o “meu pai”, sem lugar ao perdão, incentiva, em maior escala, a revolta que há em mim. De nada adiantam os sonhos passageiros. O acordar remata um novo dia.
Estranho a contínua submissão e passividade da minha mãe. Como pode, 
nos nossos dias, existirem mulheres submissas? Como pode existir pessoas sem ambição ou força para fugir?
A acomodação…
Quando olho em redor e vejo que nada tenho…

O nada.

Sempre, o nada.

Afinal, que partido tirei de uma licenciatura e de uma especialização/pós-graduação, neste país de abutres, onde o papel de professor nada é dignificado? Que futuro? Na escola sou o mais novo, o menos remunerado e um dos que mais habilitações académicas tem.
A vida não é justa…
No deserto que é a terra onde nasci, sinto, de forma acentuada, que aqui não pertenço. Pelo menos, agora tenho a certeza.  Falta-me (talvez) o grande amor, indutor da mudança e da construção.
Nos desencontros da vida, o desejo sexual cessa. Novo, bem sei, mas não pretendo viver de histórias ou momentos.
Aguardo…
Talvez…

Anúncios

Deixe a sua opinião.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s